A ponte entre o Ensino Fundamental II e a língua inglesa

Contamos com um Departamento Internacional extremamente estruturado, que tem início com o  learn&play (do G3 ao 5º ano), passando pelo Bridges (6º ao 8º ano) e finalizando com o IFY, nas unidades do Morumbi e de Perdizes e High School em Alphaville (do 9º ano à 2ª serie).

No Bate-Bola com o Planeta do mês de fevereiro, conversamos com Carlos Freitas,  coordenador do Departamento Internacional do Pentágono, que destacou a importância e o diferencial da imersão na língua inglesa, durante o Ensino fundamental II, com o Bridges.

Confira!

 

 


Colégio Pentágono: Qual a proposta do Bridges?

Carlos Freitas: O Bridges é um curso de imersão desenvolvido pela nossa equipe do colégio para fazer exatamente isto: colocar o aluno em um ambiente totalmente em língua inglesa e com uma carga horária estendida, para desenvolver os conhecimentos e as habilidades de língua inglesa da forma como o falante nativo de uma língua desenvolve.

 

CP: Qual a metodologia adotada?

CF: Usamos algumas metodologias no curso Bridges. As principais, e que devem ser notadas, são as típicas para o ensino de língua estrangeira e, também, para o ensino de língua nativa. Usamos dois materiais principais no curso Bridges: um deles traz o conhecimento que precisamos para aprender a língua inglesa como um estrangeiro precisa (nomenclaturas, reforço gramatical, sistematização da língua, etc.); o outro material nos dá o diferencial − a realidade do ensino da língua inglesa para um aluno que nasceu e cresceu em um país deste idioma. Esta segunda abordagem nos permite dar noções das mais diversas áreas ao aluno – matemática, ciências, artes, literatura etc.

 

CP: A que você atribui o sucesso do curso?

CF: Com base na primeira turma que concluiu o último nível do Bridges ao final do ano passado, posso dizer que o curso é realmente um sucesso, e não apenas pelos testemunhos de pais, alunos e de nossos professores: o Bridges também se provou um sucesso pelos resultados que obtivemos nos exames de Cambridge. Os alunos participantes do curso tiveram maior aproveitamento no exame, assim como as melhores notas. Os exames de Cambridge são uma referência mundial de avaliação externa e dão a certeza para toda a equipe que desenvolve e aplica o programa Bridges que o nível de inglês alcançado por nossos alunos é o esperado para aquela idade.

 

CP: Quais as habilidades e competências que os alunos desenvolvem?

CF: O curso Bridges tem como foco, principalmente, as quatro habilidades de qualquer usuário da língua: falar, escrever, ouvir e ler. Para o desenvolvimento da fala e da escuta, garantimos um ambiente totalmente em inglês e que obriga o aluno também a falar em inglês. Por muitas vezes, temos, inclusive, professores nativos de países de língua inglesa lecionando o Bridges, sem abrir espaço para que a vontade natural de usar o português em sala de aula ocorra. Outra atividade constante no Bridges é a produção de redações, desde a orientação inicial até as produções mais acadêmicas. Isso garante que as habilidades de escrever e ler sejam bem reforçadas também.

 

CP: Quais portas um inglês deste nível abre para o futuro acadêmico e profissional dos alunos?

CF: Nesta idade, pensamos primeiramente no futuro mais próximo, o acadêmico. Um bom nível de inglês vai dar a possibilidade deste aluno se comunicar em viagens, ler artigos, comunicar-se pela internet com amigos ou instituições etc. O aluno, também, terá maior chance de participar de processos seletivos voltados à sua idade para atividades que exijam o conhecimento mais desenvolvido em língua inglesa: exames de seleção para os cursos IFY e High School, exames de língua inglesa para intercâmbios no exterior, participação em fóruns estudantis etc. Além disto tudo, o bom conhecimento da língua inglesa desenvolve a autoconfiança, a autoestima e a segurança para aprofundar ainda mais os seus estudos no futuro e para estar preparado para uma palestra, aula ou evento que tenha que participar.

 

CP: Ao final do curso Bridges, qual é o nível de inglês esperado do aluno.

CF: Balizamos as nossas ações no Departamento Internacional pelo Common European Framework (Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas). Este quadro descreve habilidades que os alunos devem atingir em cada nível de estudo. Com nosso planejamento, material, atividades e produções, esperamos que o aluno tenha um início sólido do nível B2: começar a entender ideias principais de textos complexos que tratem de temas tanto concretos como abstratos. Também envolve a interação com falantes nativos com um grau suficiente de fluência e naturalidade, de forma que a comunicação ocorra sem esforço por parte dos interlocutores. A produção de textos se torna mais clara neste nível,sendo detalhada e sobre temas diversos. É esperado, ainda, que o aluno consiga defender um ponto de vista sobre temas gerais, apontando vantagens e desvantagens das várias opções de temas em debate.