No último dia 23, os alunos da unidade Alphaville que tinham aula no laboratório surpreenderam-se com um latido vindo do bosque. Aula interrompida, crianças alvoroçadas, começou a busca pelo autor da latida.

Não precisou muito, pois o cãozinho preto, um jovem macho, andava perdido pelo novo espaço, como que em busca de algo. Seria comida? Novos amigos?

Depois de um tempo de estranhamento, a professora do laboratório conseguiu se aproximar tranquilamente do ilustre visitante, conquistando sua confiança e colocando-o no cercadinho dos animais.

Começou aí um movimento espontâneo de acolhida ao animal: os alunos, comovidos, começaram a se perguntar se ele tinha dono, se havia se perdido ou se, simplesmente, era “órfão” mesmo.

Durante todo o período de aula da manhã e da tarde, alunos começaram a fazer cartõezinhos, listas de pessoas interessadas na adoção, pesquisas com as pessoas da escola e divulgação do caso para os poucos que ainda não estavam sabendo.

Muitas crianças se interessaram e algumas famílias, entrando em contato com a novidade, também quiseram ficar com ele.

Fotos divulgadas em grupos próximos da escola em busca de possíveis donos acabaram confirmando o que já se supunha: nosso novo amigo não tinha casa.

Antes mesmo do final da tarde, dentre muitas candidatas à família adotiva, uma conseguiu! Antes mesmo do anoitecer, o pequeno solitário já era o novo integrante de uma família feliz!

Esta história tão curta, mas tão intensa de emoções, solidariedade e respeito à vida, demonstra como alguns dos valores do Colégio Pentágono, a formação do indivíduo e a parceria com as famílias, vão muito além dos muros escolares: eles fazem parte, também, da vida e do bem-estar da comunidade.