Planeta Família – Novembro: Como os pais podem ajudar os seus filhos na preparação para o vestibular e o ENEM?

Os alunos que estão finalizando o Ensino Médio vivem um momento delicado nesta época do ano. Enfrentam uma maratona de vestibulares e o Exame Nacional do Ensino Médio, o famoso ENEM.

Os pais tentam diminuir o estresse e a ansiedade dos filhos. Desejam auxiliá-los para que enfrentem o período pré-exames com certa tranquilidade.

Qual a melhor estratégia para ajudar o meu filho ou a minha filha nesta hora? Qual a medida certa da pressão que devo fazer? Estou cobrando demais? Estou cobrando de menos? São questões que os pais tentam responder.
A cobrança excessiva pode prejudicar os estudantes devido à pressão que vem de todos os lados. Os alunos sofrem pressão por parte da escola, dos professores, dos colegas, de si próprios. Simulados aos sábados e domingos, 10 aulas por dia, matéria acumulada. A família deve ajudar o filho ou a filha a dar conta de tudo isso sem aumentar o estresse.

Entretanto, não dizer nada, omitir-se, não oferecer ajuda pode trazer uma insegurança aos jovens. Não se envolver pode dar a impressão de que os pais não acreditam na capacidade dos filhos.

A atitude mágica neste momento é o apoio. Os pais devem mostrar que estão disponíveis para ouvir, auxiliar e respeitar as opções. Acolher e, se for preciso, oferecer um colo e um abraço na hora do nervosismo. Saber que conta com o apoio da família, qualquer que seja o resultado, ajuda a diminuir a tensão enfrentada pelo estudante.Para colaborar na concentração dos estudos, a família pode organizar a casa com os horários, alimentação e tranquilidade no ambiente.

É importante que os pais aprendam a controlar a própria ansiedade e passem confiança. Lembrem-se de que o desempenho de seus filhos será fruto de todo o processo de anos de aprendizado, e não dos estudos de última hora.

Pergunte a seu filho ou filha: “O que você espera de seus pais neste momento?” Ouvir o que eles têm a dizer pode nos dar a chave que está faltando.

Fiz esta pergunta a alguns alunos da escola em que trabalho e eles valorizam o estímulo que recebem dos pais, querem o apoio incondicional e não gostam de cobrança dos pais.

“Sou pressionada pela escola e por mim mesma a entrar nas boas faculdades. Não preciso de mais cobrança em casa. Meus pais são os que mais me ajudam, dizem que, se não entrar na faculdade neste ano, não tem importância.”

“Minha mãe diz que quer me ver feliz e realizado na faculdade que eu escolhi. Que sou capaz de entrar onde eu quiser e, se não der neste ano, tento no próximo.”

Mas não gostam de comparações, não se sentem valorizados. Como disse um aluno: “Meu pai vive dizendo que entrou no vestibular de primeira e que eu tenho que conseguir. E se eu não conseguir?”
Estímulo, apoio, compreensão, respeito. Quem não quer?

Adriana Giorgi Costa
Orientadora Educacional
Colégio Pentágono