45 anos – Teluíra Rodrigues Barbosa

Teluíra Rodrigues Barbosa

“Minha história com o Pentágono começou em 2010, como estagiária no Integral.

Foi paixão à primeira vista! O que me assustava no início era a rotina. Na época, os alunos que ficavam com a gente (e eram muitos!) faziam a lição de casa e praticavam natação, que acontecia na Bartira, eu era responsável por levá-los até lá de van, ficava até acabar e, depois, voltava com eles para a Caiubi.

Contando sobre essa rotina, fica difícil entender como funcionava, mas viver o Integral era simples, prático e eu amava. Dizíamos que, para se encontrar dentro dessa rotina, era preciso acreditar e viver o Integral, não simplesmente trabalhar. Cada aluno, uma especificidade, e você, vivendo todas elas. No ano seguinte, passei a ser auxiliar de classe e dobrava período, de manhã na sala de aula e, à tarde, no Integral.

Em 2012,minha relação com o Pentágono passou a ser profissional e maternal. O fato de acreditar nessa instituição fez com que desejasse trazer minha filha para ter a oportunidade de uma formação completa, cheia de vida e aprendizado.

Tornei-me professora do Integral em 2013 e, no final do ano, Thaís, minha querida coordenadora, convidou-me para participar de um processo seletivo para assumir uma sala de 2º ano. Que honra ser vista como parte desse processo, saber que viam meu trabalho e que era capaz de tal responsabilidade! Porém, deixar meu Integral causava uma certa tristeza, afinal, foi onde tudo começou.

Ela foi compreensiva, mas pediu que eu me preparasse, então, para, quem sabe, no ano seguinte, participar do processo seletivo para uma outra sala. Dediquei-me muito ao meu crescimento profissional, sempre me vi dando aula no Pentágono e me sentia mais segura, então, decidi participar do processo seletivo para uma sala de 3º ano que abriria no ano seguinte, no período da tarde. Em 2015, assumi minha primeira turma. Quanta alegria ao ver meus alunos crescendo e poder fazer parte dessa construção de conhecimentos de forma tão direta.

Digo que minha história começou a ser escrita quando participei da entrevista para começar a estagiar e não sabia, ao certo, se conseguiria a vaga, pois eram muitas candidatas. Quando a entrevista terminou, ao sair pelo portão, tive a sensação de que o Colégio Pentágono seria, sim, a minha segunda casa. Obtive muitas conquistas e cada uma delas regada de novos desafios e muitos aprendizados.

Sou muito feliz pela decisão que tomei, pelo caminho que percorri até aqui, pelos laços de amizade que fiz e por ver minha filha cada vez mais preparada para a vida.

O que fica é a gratidão por fazer parte dessa equipe maravilhosa!”

Teluíra Rodrigues Barbosa, mãe de aluna e professora do Ensino Fundamental I, da unidade Perdizes