Planeta Família – Alunos novos no Fundamental II e Médio: saber chegar

Ao final do primeiro mês de aula, como anda a adaptação de alunos novos e alunos veteranos?

Sabemos que, no primeiro dia de aula, alunos do Fundamental e do Médio chegam cheios de expectativas, dúvidas, receios. Para o aluno novo na escola, esses sentimentos se intensificam. “E se ninguém gostar de mim? E se eu ficar sozinho no almoço? E se todo mundo ficar me olhando?” Muitos deixaram para trás o que era familiar, mudaram de escola, de bairro, de cidade, de país.

Alunos novos pedem um maior grau de acolhimento e de cuidados e o Colégio Pentágono se organiza para recepcioná-los.Para facilitar o vínculo e tornar mais confortável a chegada à nova escola, temos o sistema de tutoria entre alunos. Os coordenadores e os orientadores pedem que um colega da classe, geralmente com habilidade de empatia, encarregue-se, por alguns dias, de ser o tutor de um aluno novo. Os tutores ajudam, na hora do intervalo, a apresentar os espaços da escola, a mostrar onde é o refeitório, a explicar o que se costuma fazer nesses períodos. Pedimos que sejam cuidadosos na hora do almoço, que não deixem os novatos sozinhos em um momento tão delicado do relacionamento social.

Às vezes, o tutor do primeiro dia ficou sendo só um colega, não “conectou”. É o momento de agirmos rapidamente e estabelecer novos tutores, que tenham mais afinidade com o novo colega.

O aluno novo precisa se sentir acolhido não só na sala de aula, mas por toda a instituição. Dependendo do motivo pelo qual esse aluno tenha mudado de escola, ele talvez pense que não será bem recebido, pode se isolar e reproduzir os problemas que tinha na instituição anterior.

Os professores auxiliam a integração. Todos fazem a sua aula inaugural, para apresentar a si mesmos e a sua disciplina. A maior parte dos professores também é nova para aquela classe e compartilha a experiência de ser um novato no grupo. Além disso, na fase de adaptação, o aluno novo deve ser um dos assuntos nas reuniões com os professores. Conhecer o seu histórico e ter um olhar individualizado pode ajudá-lo a se integrar à rotina da escola.

Após as quatro primeiras semanas de aula, os novos alunos de 2017, agora já quase “veteranos”, têm preciosas sugestões a dar. “Tem que chegar devagar, não pode chegar chegando, senão vão achar que a pessoa é folgada. Vai observando, solta uma piada aqui, no dia seguinte conta um caso, vai se abrindo aos poucos”, fala Bruno, do 8º ano. João, da mesma série, concorda e completa: “Tem que ser você mesmo, não querer ser o que não é só para aparecer. Fui muito bem recebido pelo aluno-tutor”.Maria Eduarda, do 7º, ensina: “Como mudei muito de escola, sei o que dá certo e o que não dá certo. Ser discreta, no início, não dar palpite. Já fiz várias amigas.”O segredo? Do lado do colégio, saber acolher . Do lado do aluno, “não chegar chegando”.

 

Adriana Giorgi Costa
Orientadora Educacional
Colégio Pentágono