Dica de Leitura – Junho 2017

Educação Infantil Até 6 anos

Tô cheiro de ser um hipopótamo!
Autora: Pierre Cornuel
Editora: Caramelo, 2004.

Cansado de ser um hipopótamo, Pop tenta descobrir como se sairia no papel de outros bichos…
Primeiro, ele resolve ser um elefante, depois, um pato, em seguida, um pássaro, mas ele nem imagina as surpresas que esperam por ele!

Por que ler para seu filho?
Neste livro, o personagem Pop decide vivenciar experiências diferentes das que ele já está acostumado, acreditando que, assim, as coisas seriam melhores e mais divertidas.
Ao longo da história, o hipopótamo visita o mundo do faz-de-conta, mundo esse tão conhecido pelas crianças, que se transportam e vivem inúmeros personagens e super-heróis dentre outras figuras inusitadas, todos os dias, através da manifestação lúdica da imaginação.
Participar desse mundo é algo natural para as crianças. Histórias que reafirmem isso sempre são interessantes e boas para ser trabalhadas com os pequenos, ainda mais quando descobrimos que bom mesmo é ser do jeitinho que a gente é!


No acervo on-line da Biblioteca do Pentágono:

No mesmo gênero, temos o livro: Calma Camaleão!, de Laurent Cardon.Editora Ática, 2010.

 

 

 

 


Ensino Fundamental I

A sábia de Waterloo
Autora: Katherine Paterson
Editora: Salamandra

A fazenda de Hougoumont, perto de Waterloo, foi palco de uma luta sangrenta entre ingleses e franceses, em 17 de junho de 1815. E acabou sendo crucial para o resultado da batalha e o destino da Europa. O que poucos sabem é que, alguns dos coelhos que viviam na propriedade, testemunharam a batalha, e que alguns até sobreviveram a ela. Entre seus descendentes está William, um coelho branco que vive no presente, mas que se interessa muito pelo passado e busca na tataravó a sua fonte de conhecimento… “A Sábia de Waterloo” é um livro sem igual, charmoso e profundo sobre a loucura humana e a sabedoria do mundo natural.

Por que ler para o seu filho?
Vencedor do prêmio da FNLIJ em 2016 na categoria Tradução/Adaptação Infanto- Juvenil; Leitura lúdica que faz o leitor refletir sobre o seu lugar no mundo; “Cativante, muito bem escrito e extremamente criativo.” – Kirkus Reviews.

 

 

 


Ensino Fundamental II

O conto da ilha desconhecida
Autor: José Saramago
Editora: Companhia das Letras, 1998.

Um homem vai ao rei e lhe pede um barco para viajar até uma ilha desconhecida. O rei lhe pergunta como pode saber que essa ilha existe, já que é desconhecida. O homem argumenta que assim são todas as ilhas até que alguém desembarque nelas.Este pequeno conto de José Saramago (Nobel de Literatura em 1998) pode ser lido como uma parábola do sonho realizado, isto é, como um canto de otimismo em que a vontade ou a obstinação fazem a fantasia ancorar em porto seguro. Antes, entretanto, ela é submetida a uma série de embates com o status quo, com o estado consolidado das coisas, como se da resistência às adversidades viesse o mérito, e do mérito nascesse o direito à concretização. Entre desejar um barco e tê-lo pronto para partir, o viajante vai, de certo modo, alterando a ideia que faz de uma ilha desconhecida e de como alcançá-la, e essa flexibilidade, com certeza, torna-o mais apto a obter o que sonhou. “…Que é necessário sair da ilha para ver a ilha, que não nos vemos se não saímos de nós…”, lemos a certa altura. Nesse movimento de tomar distância para conhecer está gravado o olho crítico de José Saramago, cujo otimismo parece alimentado por raízes que entram no chão profundamente. Inédito em livro, O conto da ilha desconhecida é ilustrado por oito aquarelas de Arthur Luiz Piza.

 


Ensino Médio

O velho e o mar
Autor: Ernest Hemingway
Editora: Bertrand Brasil, 2013.

Dando início à renovação da identidade visual das obras de Ernest Hemingway, a Bertrand Brasil relança O velho e o mar, um dos principais livros da carreira do autor, Nobel de Literatura em 1954. Depois de anos na profissão, havia 84 dias que o velho pescador Santiago não apanhava um único peixe. Por isso, já diziam se tratar de um salão, ou seja, um azarento da pior espécie. Mas ele possui coragem, acredita em si mesmo, e parte sozinho para alto-mar, munido da certeza de que, desta vez, será bem-sucedido no seu trabalho.Esta é a história de um homem que convive com a solidão, com seus sonhos e pensamentos, sua luta pela sobrevivência e a inabalável confiança na vida. Com um enredo tenso que prende o leitor na ponta da linha, Hemingway escreveu uma das mais belas obras da literatura contemporânea.Uma história dotada de profunda mensagem de fé no homem e em sua capacidade de superar as limitações a que a vida o submete.

 

 

 


Para os Pais

O vermelho e o negro
Autor: Stendhal
Editora: Cosac Naify, 2003.

O protagonista desta obra é o jovem Julien Sorel, “um homem infeliz em guerra com a sociedade”, na definição de seu criador. Seu trágico destino foi inspirado em um evento real, ocorrido em Grenoble: condenado pelo assassinato de uma ex-amante, cometido no interior de uma igreja, um seminarista, de 26 anos, Antoine Berthet, foi executado na guilhotina em fevereiro de 1828. A partir desse fato, Stendhal entreviu a possibilidade de fazer o que chamou de “crônica do século 19”, um ácido retrato da França da Restauração pós-napoleônica, política e moralmente conservadora. Muito do encanto irrepetível e da inesgotável vitalidade de O Vermelho e o Negro reside na tensão entre as dimensões realista e romântica, entre a crônica quase jornalística dos fatos exteriores e a construção trágica do destino dos personagens, especialmente do protagonista, suspenso no descompasso de seus conflitos.