A interculturalidade acontece quando duas ou mais culturas interagem horizontal e sinergicamente. A integração e o bom convívio devem ser favorecidos de forma que nenhum dos grupos deva estar acima do outro, respeitando-se a diversidade e mantendo-se o respeito e o diálogo quando o conflito aparecer.

Essa relação de troca entre indivíduos de comunidades linguísticas distintas é de suma importância na aprendizagem de uma língua, não se reduzindo apenas à obtenção de conhecimentos gramaticais e lexicais, fato com que a maioria dos profissionais que lecionam línguas estrangeiras há de concordar.

O ato de aprender uma língua se faz mais fluente quando é contemplado de uma maneira mais globalizada, em que o indivíduo adquire uma visão de mundo que o fará se inserir em uma comunidade, de modo que dela ele se sinta parte.

Uma língua é um mecanismo de comunicação social, não podendo ser separada do cenário sociocultural da qual faz parte. Ou seja, não pode ser desassociada de nossa realidade justamente por ser um sistema concreto de interação entre os indivíduos envolvidos.

A comunicação intercultural leva em conta as equivalências e as distinções e, por conseguinte, a interação se torna eficaz com a negociação entre elas, objetivando um terreno onde respeito e igualdade otimizem as eventuais discordâncias.

Para isso, a educação linguística vigente deve buscar um caminho para a viabilização desse processo na interdisciplinaridade e em suas várias possibilidades de criar conteúdos que favoreçam o respeito às diferenças e destaquem a humanização e a cooperação entre as comunidades.

Ler, escrever, falar e escutar nos possibilita atuar em nível social fazendo uso da língua. Para isso, a escola proporciona o ensino de várias linguagens, tomando aqui como nosso foco as línguas estrangeiras e, mais especificamente, a Língua Inglesa.

O Inglês já é parte do nosso cotidiano pelo menos há mais de 30 anos. Hoje, é impossível dissociar a posse desse conhecimento linguístico do sucesso profissional e social. O estudo dessa linguagem, hoje universal, é oferecido por meio de numerosas e variadas metodologias, focando em diferentes habilidades, dependendo do tempo em que a aprendizagem é oferecida.

Mas, em uma coisa havemos de dividir a mesma opinião: nada como ter a possibilidade de colocá-la em prática em uma viagem internacional, seja ela de lazer, de estudo ou de trabalho.

A sensação de conquista, de liberdade, de pertencimento (posso ficar um bom tempo listando-as aqui) que se adquire em uma vivência internacional realmente vale por todo o esforço e investimento despendidos.

No Colégio Pentágono, tem-se plena ciência desse importante fator no aprendizado dos alunos e, por isso, oferecem-se diferentes oportunidades para colocar em prática a interculturalidade a favor do desenvolvimento das habilidades linguísticas.

As viagens internacionais oferecidas todo mês de julho no colégio são vistas como uma chance de se apropriar desses conhecimentos linguísticos adquiridos em sala de aula e usá-los da maneira mais direta e divertida possível. Os diferentes destinos a cada ano são escolhidos especialmente para que haja uma expansão no aprendizado cultural e histórico de cada país falante da Língua Inglesa.

Outra oportunidade ímpar que o Colégio Pentágono oferece para expor seus alunos à mais genuína forma de aplicar a Língua Inglesa são as Olimpíadas Internacionais de Inglês, em que os alunos do Time Olímpico competem com escolas das Américas, da Ásia e da Europa, em diferentes categorias de apresentações, fazendo desses eventos momentos únicos de transformação na vida dos alunos e de suas famílias.

“Se você falar com um homem numa linguagem que ele compreende, isso entra na cabeça dele. Se você falar com ele em sua própria linguagem, você atinge seu coração.” Nelson Mandela

Fernando Marassi
Coordenador de Inglês do Ensino Médio e Viagens Internacionais