Em sua edição inaugural, o evento teve como marcas a mobilização das mães e a conscientização sobre a importância de fazer com que os itens escolares não percam sua utilidade ao final do ano letivo

 

No início de novembro a diretora da unidade Perdizes recebeu a visita de uma mãe com uma demanda diferente. Ela não queria falar sobre o desempenho escolar dos seus filhos, nem fazer nenhuma consideração sobre as atividades pedagógicas que estavam sendo propostas. Tatiana Lungarezi Bergamo, mãe do Lucca (1º ano), da Lunna (G3) e da Luísa (G2), propunha a realização de uma Feira de Troca de Livros e Uniformes.

“Essa ideia já estava na minha cabeça desde o final do ano passado, quando meu filho mais velho passou do Infantil para o Ensino Fundamental I e a lista de livros aumentou consideravelmente. Como alternativa para economizar, busquei pais de alunos que estavam concluindo o 1º ano para trocas e vi que muita gente já fazia isso em grupos de whatsapp, na informalidade. Logo depois, soube que na Unidade de Alphaville já eram organizadas feiras com essa finalidade. Não tive dúvidas: fui atrás da responsável de lá, a mãe Adriana Faragó, e ela me passou todas as dicas”, conta Tatiana.

Sempre aberta às boas sugestões vindas dos pais, Dulcinéa logo se animou com a ideia e viabilizou com sua equipe administrativa a realização do evento. Tatiana, que precisava de parceiras para ajudá-la na força-tarefa, conseguiu mobilizar mais cinco mães*.

“Logo avisamos os pais sobre a realização da feira, as regras para participação, a data de arrecadação dos itens usados – que só eram aceitos se estivessem em bom estado – e a data das trocas. Nos bastidores, tivemos o trabalho de catalogar o que cada família entregou e que dava direito a pegar mesma quantidade de itens, além de separar todo o material por série e, depois, fazer os atendimentos dos participantes”, relata.

A iniciativa das mães foi recebida com muito entusiasmo e o evento foi um sucesso! “Foram muitos os interessados e não poderia ser diferente: a feira se enquadra numa visão atual e necessária de que reaproveitar é bacana. Afinal de contas, é sustentável e gera economia para as famílias”, comenta Dulcinéa.

Tatiana conta que, nessa primeira edição, foram atendidas 150 famílias, que se disseram muito satisfeitas. “Para dar um exemplo, a lista de livros do 1º ano totaliza cerca de R$ 400. Conseguimos arrecadar 25 kits completos. Ou seja, 25 famílias conseguiram evitar esse gasto graças às trocas”, destaca. Isso sem contar os uniformes, que contaram com uma arrecadação muito expressiva, possibilitando que muitas pessoas fossem atendidas.

Em 2019 as organizadoras esperam mobilizar ainda mais participantes. “É uma cadeia: é preciso doar para poder trocar. Assim, reforçamos a ideia de colaboração entre os pais e, no final, todo mundo se beneficia”, diz. Inclusive o planeta: você já pensou quantos desses materiais iriam parar no lixo, se não fosse a realização da feira?

Confira a seguir algumas fotos do evento:

 

*As outras mães envolvidas na organização da feira são:

Rafaella Pagetti, mãe da Maria Eduarda (5º ano) e do João Pedro (1º ano)

Carolina Gorios, mãe da Rafaela (1º ano) e da Pietra (G5)

Fabiana Cortizo, mãe do Eduardo e da Maria Fernanda (1º ano)

Mariana Bochembuzo Simonian, mãe da Marina (1º ano)

Meri Koulioumba, mãe do Lucas (1º ano)