Medo de redação? No Pentágono, não!
Dominar os macetes da escrita correta e bem elaborada é com a gente mesmo

Seja no ENEM ou nos principais vestibulares do Brasil e do exterior, uma coisa é fato: os alunos da nossa rede ARRASAM na redação. Isso sem falar nas produções de texto surpreendentes que os professores recebem nas atividades cotidianas e em ocasiões como o Concurso Pentágono de Redação, que em 2020 teve sua 9ª edição.

Resultados tão positivos são fruto de um trabalho minucioso, desenvolvido durante toda a vida escolar dos nossos estudantes. Começamos cedo, despertando o gosto pela leitura e a escrita e reforçando sempre o entendimento do texto como uma forma importante de se colocar no mundo.

A cada ano letivo, o planejamento pedagógico avança na exploração de novos elementos e desafios para os alunos: tanto com relação à correta aplicação da gramática, quanto no desenvolvimento das ideias e da argumentação do seu ponto de vista sobre determinado assunto. Tais habilidades — que já fazem toda a diferença no dia a dia das crianças e jovens, seja no contexto escolar ou em demandas pessoais de comunicação —, serão amplamente necessárias e valorizadas lá na frente, durante o exercício da atividade profissional, a divulgação de artigos acadêmicos ou em situações de interlocução com uma autoridade pública, por exemplo.

E já que a prática leva à perfeição, na reta final do período escolar o trabalho com as turmas é intensificado: ao longo dos três anos do Ensino Médio, cada aluno escreve nada menos do que 84 redações. “No processo de elaboração e reformulação de cada uma delas, proporcionamos não somente o debate entre os estudantes, mas também a criação de cenários reais, interdisciplinares e atuais, tornando a experiência muito mais significativa”, destaca Bruno Alvarez, coordenador de Língua Portuguesa dos Anos Finais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio.